Património.pt

PATRÍCIA AZEVEDO, a 20 Jan 2014 |


Potencialidades educativas patrimoniais num determinado território: o caso da Península de Setúbal

 

Recorrer ao património como ferramenta pedagógica na sala de aula ou fora dela, é a opção ideal quando se trata de valorizar o património português. A ponte pode ser feita com diferentes disciplinas: história, geografia, ciências, artes visuais…

 

Várias vezes ouvi falar das visitas que as escolas de outras regiões realizam a Lisboa. Sempre as vi como autênticos passeios turísticos, com cerca de suppliers of viagra in uk uma centena de alunos, numa logística nada fácil para professores e cialis from european online drugstores acompanhantes. A visita é feita num ritmo alucinante, imbuído de um espírito consumista, sob a premissa de visitar num só dia o maior número de museus e principais monumentos de referência da nossa História.

 

Depois da experiência profissional que tive durante alguns anos no concelho de Sesimbra, pergunto-me: E o património local? Será que é devidamente explorado pelos professores?

 

Quero apresentar-vos, de uma forma muito geral, as potencialidades educativas patrimoniais num determinado território, neste caso na Península de Setúbal. Esta região abrange nove concelhos (Alcochete, Almada, Barreiro, Montijo, Moita, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal) e todos eles possuem museus municipais e/ou percursos pelo património local, dinamizados pelos técnicos das autarquias respectivas.

 

Valerá a pena referir que a Península de Setúbal reflecte, como outros casos no nosso país, a preocupação que surgiu no pós 25 de Abril relativamente à salvaguarda e valorização do património português. É na década de http://gremio.cm-vilareal.pt/viagra-aus-usa 80 do século XX que muitos museus desta região abrem portas devido, sobretudo, às campanhas de levantamento patrimonial que deram origem à constituição das várias colecções.

 

As áreas abordadas são diversas. Vão desde a etnografia ligada ao mar (Museu do Mar, em Sesimbra; Museu Naval, no Seixal) ou ao campo (Museu Agrícola, no Montijo; Núcleo do viagra online no prescription needed Vinho e da Vinha, em Palmela); a arqueologia (presente em quase todos os concelhos); a arquelogia industrial (Moagem de Sampaio, em Sesimbra; Fábrica da Pólvora, Núcleo da Mundet e Moinho de Maré, no concelho do Seixal; Moinho do Esteval, no Montijo); a arte sacra (Capela do Espírito Santo dos Mareantes, em Sesimbra; Museu de Setúbal/Convento de Jesus); ou a história natural (jazidas de icnofósseis, em Sesimbra).

 

As propostas educativas, protagonizadas pelos serviços educativos dos museus municipais respectivos, são várias e adequadas ao nível de buy uk viagra escolaridade: visitas orientadas ou guiadas; visitas-jogo; percursos pedonais; ateliers ou oficinas; animação/teatro e levitra oral gel maletas pedagógicas. Em alguns casos até proporcionam o contacto directo com as gentes locais.

 

Aos professores apenas posso dizer: atrevam-se a explorar o que têm de melhor na just try! drug cialis vossa região! Diz-se que “só quem conhece pode valorizar o património”. Atrevo-me a reformular para “só aquele que conhecer o património da sua vila, da sua cidade, da sua região pode valorizar o património de um país”.

 

 

 

 

 

« NA ESCOLA

 

 

 

Share

Comentar


Colunistas

Veja também Heritage Kids +

Entrando com o pé direito

 

2 e 3 de Janeiro de 2014 - Museu do Oriente, Lisboa

 

O Museu do Oriente recebe as crianças para dar as boas vindas ao novo ano. 

Será que todos comemoramos o ano na mesma altura? Que superstições e costumes existem em cada passagem de ano? Venham fazer uma viagem de dois dias, entre Ocidente e Oriente, e encontrar a resposta a estas perguntas!

Workshop: Aprender a fazer pão à moda antiga

 

18 de Janeiro de 2014 - Quinta do Peral, São Brás de Alportel

 

No próximo dia 18, sábado, a Quinta do Peral, em São Brás de Alportel convida a uma viagem no tempo através de aromas e sabores típicos de uma manhã dedicada a “aprender a fazer pão à moda antiga”, saberes ancestrais que passavam de geração em geração, mas que nos dias de only today levitra online prescription hoje correm o risco de extinção. Com início pelas 09h00, esta iniciativa desafia adultos e jovens a meter as mãos na massa e descobrir ou recordar a experiência de confecionar pão segundos moldes tradicionais.Antigamente… o fermento era preparado em casa na noite que antecedia a amassadura e cheapest line viagra a farinha era peneirada. Na manhã seguinte o processo seguia com o amassar do pão, o aquecimento do forno, o tender e finalmente a colocação do pão no forno. Um conjunto de procedimentos recheados de preceitos e utensílios próprios. Neste âmbito, a Quinta do Peral conta com a participação especial das vizinhas da Quinta, a D.ª Rosa Dias e a Dª Lurdes Trindade na partilha de saberes e experiências sobre esta antiga arte que traz à memória histórias de infância, mas também o contacto com esta realidade longínqua para os mais jovens.

Veja também +

SANDRA VAZ COSTA (*) 19 Dez 2012 |


Património e emprego: o exemplo do viagra in britain Estado Novo

 

Empossado ministro a 5 de Julho de http://lab11.com/cialisonline/buy-cialis-generic-online.html 1932, a 31 de Dezembro do mesmo ano Duarte Pacheco (1900-1943) publicava o Decreto-Lei nº 22 055, noticiando a orgânica do Ministério das Obras Pública e Comunicações, recuperando na quase totalidade, a denominação que em 1852 Fontes Pereira de Melo instituíra ao mesmo gabinete. Porém, ao contrário de Fontes, Pacheco morreria novo, aos 43 anos de idade. Contudo, em 18 anos de ação política e levitra buylevitra onlin 8 anos de política de obras públicas transformaria a paisagem do país.

PATRÍCIA AZEVEDO, a 20 Mar 2014 |

Moinho de Maré de Corroios

Património Cultural Imaterial: um bem a transmitir às novas gerações

 

Recorro uma vez mais às potencialidades patrimoniais da Península de Setúbal, centrando-me, desta vez, na transmissão do património cultural imaterial ligado às actividades económicas das comunidades locais.

Tags +

Videos

Lançamento do only for you by levitra price livro “A Casa Senhorial em Portugal”

 

"A Casa Senhorial em Portugal" é o resultado de buy cialis online canadian phamacy uma encomenda da Associação Portuguesa das Casas Antigas (APCA) ao investigador Hélder Carita - um dos mais notáveis estudiosos e historiadores da Arquitectura Civil Portuguesa -, sobre mais de duzentas casas senhoriais distribuídas pelo território português.

VER +

Fábrica de Chocalhos Pardalinho e a distinção da arte chocalheira como Património Imaterial da Humanidade

 

A patrimonio.pt esteve em Alcáçovas para visitar a Chocalhos Pardalinho: uma fábrica a laborar desde 1913, altura em que treze famílias da freguesia se dedicavam à produção dos chocalhos.

VER +

 

® Spira 2012 | design e implementação: ideia, designers __|__ Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia excepto no caso de artigos de autor nos quais os autores são livres de optar.