Património.pt

Património como Testemunho Civilizacional

 

por Catarina Valença Gonçalves

 

Correm tempos difíceis, cá, no mundo, com graus de gravidade diferentes. É por isso uma óptima ocasião para levar os miúdos num passeio por alguns elementos patrimoniais cheios de significado político e civilizacional.

 

 

Comecemos no lugar onde hoje se encontra o Teatro D. Maria II, palco, desde a primeira metade do século XVI e até 1821, do Palácio da Inquisição. Tribunal eclesiástico, julgou milhares de pessoas somente pelo seu credo religioso, pelo menos mais de mil tendo sido queimadas vivas como pena de cheap cialis online user we recommend condenação. Estes “autos-de-fé” ocorriam no Rossio, defronte do Palácio ou, ainda, no Terreiro do Paço, com o rio Tejo como pano de fundo. Aqui, no coração de Lisboa, numa união do poder secular e religioso, portugueses cometendo maldades humanas medonhas sobre outros portugueses e não só.

 

Andando para Sul, no sentido do rio, e avançando uns séculos, paramos à porta da Cadeia do Aljube. Hoje, o Museu do Aljube é, não somente um testemunho da vivência de Lisboa remontando ao período árabe - como o nome o indica -, mas é sobretudo um espelho de como a barbárie pode estar dentro de todos e de cada um de nós. Tortura do sono, espancamento, encarceramentos nos ditos “curros”. Neste caso, barbárie especialmente entre portugueses. (Aberto todos os dias das 10H00 às 18H00, exceptuando segundas e feriados).

 

Seguimos para Oeste, até à Estrela e entramos na casa da democracia consolidada: o Palácio de S. Bento. Sede desde os anos 20 do século XVIII do debate sobre o governo da Nação, recebe, desde a Revolução de 1974 e nestes nossos dias acesos, o parlamento da IIIª República Portuguesa. Espaço privilegiado de http://www.mairie-confolens.fr/mastercard-cialis representação da vontade dos cidadãos, de debate civilizado entre opiniões e correntes diversas e por vezes, antagónicas, ilustra a maturidade democrática, o primado do respeito pela expressão da opinião do outro que só estádios avançados de sociedade conseguem alcançar. (Visitas guiadas para individuais todos os últimos sábados de cada mês).

 

Exemplos de como, todos nós, no “caldo perfeito”, podemos deixar a barbárie latente vir ao de cima e instalar-se como se fosse o modo de vida, o acto, o pensamento mais banal e inócuo.

 

Fotografia de Edgar Jiménez.

 

 

« IDEIAS

 

Share

Comentar


Colunistas

Rubricas diárias +

05 Jul 2017 |

“Esplendor na Relva” – Ciclo de cinema em Monserrate

Durante os quatro primeiros fins-de-semana de get cialis very fast Julho, os jardins do Palácio de Monserrate vão receber 12 obras-primas da história do cinema.

VER +

28 Jun 2017 |

 

Beja na rua

De 16 de Junho a 15 de Julho, Beja recebe o festival de artes na rua. 

VER +

14 Jun 2017 |

 

Observatório de Turismo Sustentável no Alentejo


No dia 1 Junho, em Évora, foi assinado o memorando para a criação do Observatório de Turismo Sustentável no Alentejo.

VER +

07 Jun 2017 |

Douro acolhe encontro internacional sobre sustentabilidade dos sítios UNESCO

 

Na primeira semana de Junho, O Alto Douro Vinhateiro recebe o “World Generation Week”.

VER +

Veja também +

26 Mai | Pedro Manuel-Cardoso

Capa: Belém visto do Padrão dos Descobrimentos (Fotografia retirada de: http://en.wikipedia.org/wiki/Belém_(Lisbon)

Debates: Coches, Sintra, Évora, Eixo Belém CCB, Miró e outros

 

O PROBLEMA

O Debate mais uma vez resvala para a lógica de cada um dos lados.
Nos Debates continua a ser impossível conciliar e equilibrar os objetivos do Interesse Privado (aumento do lucro e sua distribuição por um grupo restrito) com os objetivos do Interesse Público (concretizar o direito de todos ao Património do Estado que pertence a Portugal e aos cidadãos).
Tenho referido várias vezes que a dificuldade está na conciliação. E que é fácil fazer a apologia de cada um dos lados.
Esses dois lados existem e coabitam todo e qualquer País, Cultura ou Nação. São componentes constitutivos da matriz antropológica do fazer humano. Razão pela qual é impossível a um excluir o outro, apesar das ideologias de cada lado desejarem essa diluição facciosa.

31 Mar 2017 | António João Cruz

 A Rua Nova dos Mercadores” (Fotografia retirada de: http://www.museudearteantiga.pt/exposicoes/a-cidade-global).

 

Autêntico ou falso? Como podem os métodos laboratoriais ajudar a esclarecer o caso das pinturas da “Cidade Global”


A exposição há pouco inaugurada no Museu Nacional de Arte Antiga sobre a “Cidade Global” deu visibilidade a dúvidas de autenticidade a respeito de duas pinturas e para o seu inequívoco esclarecimento está em consideração a possibilidade do recurso a estudos laboratoriais. Independentemente dos pormenores, a história é igual a muitas outras, mas, frequentemente, não é do conhecimento geral o que está em causa nestes estudos laboratoriais nem, menos ainda, as suas limitações.

Tags +

Videos

Lançamento do livro “A Casa Senhorial em Portugal”

 

"A Casa Senhorial em Portugal" é o resultado de uma encomenda da Associação Portuguesa das Casas Antigas (APCA) ao investigador Hélder Carita - um dos mais notáveis estudiosos e historiadores da Arquitectura Civil Portuguesa -, sobre mais de duzentas casas senhoriais distribuídas pelo território português.

VER +

Fábrica de Chocalhos Pardalinho e a distinção da arte chocalheira como Património Imaterial da Humanidade

 

A patrimonio.pt esteve em Alcáçovas para visitar a Chocalhos Pardalinho: uma fábrica a laborar desde 1913, altura em que treze famílias da freguesia se dedicavam à produção dos chocalhos.

VER +

 

® Spira 2012 | design e implementação: ideia, designers __|__ Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia excepto no caso de artigos de autor nos quais os autores são livres de optar.