Património.pt

ALEXANDRINO GONÇALVES, 11 Fev 2013 |


À “luz” do Passado

 

Em 1899, a Rainha D. Amélia mandou iniciar as escavações arqueológicas no sítio de buy pfizer viagra Conimbriga, mas foi a partir de 1930 que essas escavações foram complementadas e aprofundadas, de tal modo que acabaram por revelar vestígios de uma cidade do viagra on women período Romano. Daqui resultaram as famosas, mesmo além-fronteiras, Ruínas de Conimbriga.

 

Um qualquer visitante deste espaço ao deparar-se com todo o cenário de edifícios em ruínas, pavimentos degradados ou colunas danificadas, acaba por inevitavelmente ser transportado numa viagem no tempo, onde tenta recriar todo o ambiente urbanístico, social e arquitetónico daquela época. Dada a distinta capacidade de abstração de cada ser humano, ainda que fundamentada com desenhos e maquetas, essa tarefa de recriação imaginária estará sempre repleta de http://www.finquesbalada.com/cialis-online-fast-delivery imprecisões próprias da interpretação individual de cada um.

 

Este trabalho de reconstrução virtual teve por finalidade possibilitar a qualquer pessoa visualizar os frescos e mosaicos outrora existentes num dos locais mais emblemáticos destas fantásticas ruínas, a Casa dos Repuxos (figura1), e mais em particular na “Sala da Caçada”, pois era a única que, além de um mosaico intacto e em excelente estado de conservação, ainda apresenta vestígios de alguns dos frescos pintados nas paredes (www.conimbriga.pt/portugues/ruinas10.html).

 

Figura 1

 

Neste tipo de tipo de recriações virtuais o rigor histórico e levitra online order científico é, por vezes, negligenciado em favor da geração de imagens mais apelativas visualmente. Tal acontece porque nem sempre são tidas em consideração as condições de iluminação existentes na época a retratar.

 

Nesse sentido, foi reconstruída com a ajuda dos especialistas, uma lucerna Romana o mais fidedigna possível em termos de materiais usados na levitra generic fast delivery época, nomeadamente, lucernas em argila, azeite puro sem aditivos como combustível, pavios em linho e algodão e sal igualmente puro (dado que as referências bibliográficas nos indicavam que os Romanos adicionavam sal ao combustível). Posteriormente, e com vista a simular virtualmente a iluminação Romana no cenário recriado, foi medida a sua intensidade luminosa (radiância) usando um espetro-radiómetro (figura 2).

 

  

Figura 2

 

Das várias experiências com diferentes configurações efetuadas, o gráfico apresentado na figura 3 ilustra duas dessas configurações, amostra de wow it's great cheap cialis no prescription azeite simples como combustível (S1) e uma outra onde o combustível usado provinha da mesma amostra de azeite, mas com adição de sal, tal como os Romanos faziam (S1-S). 

 

Figura 3


Como é facilmente percetível, o simples ato de adicionar sal ao combustível (azeite), potenciou (em determinadas zonas do espetro eletromagnético) um aumento na intensidade luminosa na ordem dos 60%, o que comprova a astúcia desta civilização, que é uma das bases da cialis costs nossa sociedade.

 

Com esta informação, associada ao detalhado modelo geométrico da sala e tratamento digital das texturas a usar (mosaico e frescos), estão finalmente reunidas as condições para gerar os modelos virtuais. Para este fim, foi usado um novo paradigma da visualização, o High Dynamic Range (HDR), que visa a geração de imagens cujo conteúdo visual seja o mais próximo possível do captado pelo sistema visual humano. Desse modo, a fidelidade visual apresentada pelo HDR permite-nos ter uma real perceção de como, aos olhos de um qualquer habitante daquela casa de elevado estrato social, aqueles frescos e mosaico seriam contemplados, algo impossível de aquilatar nos dias de hoje.

 

As figuras seguintes, geradas por low cost alternatives and viagra um software que simula o processo físico da propagação da luz, são ilustrativas de todo o processo descrito anteriormente, onde é possível contemplar as imagens virtuais da “Sala da Caçada” da Casa dos Repuxos de buy viagra at a discount Conimbriga, com diferentes configurações de colocação das lucernas Romanas em candelabros ou diretamente no chão, tal como sugerido pelos especialistas.

 

 

 

 

Um dos aspetos mais interessantes neste tipo de trabalho é a possibilidade de efetuar comparações diretas entre o espaço em ruínas e a sua réplica virtualmente reconstruída. Alguns exemplos são apresentados nas figuras seguintes.

 

 

 

 


Por fim, foi igualmente explorada a possibilidade da perceção que temos nos dias de hoje dos artefactos em questão, nomeadamente a perceção dos frescos e do mosaico ser diferente daquela existente à época. Para tal, foram efetuadas novas simulações virtuais do mesmo cenário, mas neste caso, usando uma luz clara como método de iluminação. 

 

 

Como é claramente percetível a envolvência visual é consideravelmente diferente, proporcionando inclusive resultados surpreendentes. Nas figuras seguintes, é claramente percetível que quando houve uma alteração do método de iluminação, a tonalidade cromática das circunferências do mosaico é diferente.

 

  

São resultados como este que motivam e legitimam a realização deste tipo de trabalhos, pois a interpretação, seja religiosa, cultural ou arquitetónica do cenário recriado, pode ser consideravelmente diferente daquela que temos ao visitar um qualquer espaço do nosso rico legado cultural.

 

 

Alexandrino Gonçalves é Professor Adjunto e Investigador em Engenharia Informática no Instituto Politécnico de Leiria. Grande parte da sua investigação incide na área da thirteenletter.com Herança Cultural, na qual realizou o Doutoramento, na Universidade de Trás-os-Montes e www.justaddglam.com Alto Douro em parceria com a Universidade de Warwick (Reino Unido), e Mestrado na Universidade de Coimbra. Em resultado desses trabalhos de investigação tem obtido enorme reconhecimento nacional e internacional na área, nomeadamente: um dos seus trabalhos foi apresentado na revista New Scientist; é co-autor, com outros cinco reputados investigadores internacionais, de um State of the Art Report em “Illuminating the Past”; já foi galardoado com alguns prémios; já proferiu, por convite, diversas comunicações orais em conferências nacionais e internacionais; possui cerca de duas dezenas de female viagra cheap artigos em conferências e revistas.

 

 

 

« COM CREDENCIAIS

 

 

 

Share

Comentar


Colunistas

Rubricas diárias +

05 Jul 2017 |

“Esplendor na cialis from canadian pharmacies Relva” – Ciclo de cinema em Monserrate

Durante os quatro primeiros fins-de-semana de Julho, os jardins do Palácio de Monserrate vão receber 12 obras-primas da história do cialis profesional cinema.

VER +

28 Jun 2017 |

 

Beja na rua

De 16 de Junho a 15 de Julho, Beja recebe o festival de artes na rua. 

VER +

14 Jun 2017 |

 

Observatório de Turismo Sustentável no Alentejo


No dia 1 Junho, em Évora, foi assinado o memorando para a criação do Observatório de Turismo Sustentável no Alentejo.

VER +

07 Jun 2017 |

Douro acolhe encontro internacional sobre sustentabilidade dos sítios UNESCO

 

Na primeira semana de Junho, O Alto Douro Vinhateiro recebe o “World Generation Week”.

VER +

Veja também +

Pintura mural de Caravaggio, antes e depois de um restauro que não correu bem

Quem pode fazer conservação e restauro do Património?

 

De vez em quando, surgem na imprensa casos de viagra super active plus intervenções que, supostamente, tinham como objectivo conservar ou valorizar o Património e que, afinal, o destroem. Há ano e buy generic crestor meio foi o Ecce Homo muito imaginativamente recriado por Cecilia Giménez em Borja; pouco depois, as pinturas murais do século XVII de uma igreja de Beja repintadas a tinta plástica por alguém com falta de vista; a seguir, a transformação dos frescos budistas de Chaoyang, do século XVIII, num friso com uma qualquer estética pop art; agora, com base na denúncia do Fórum de Conservadores-Restauradores, é um conjunto de esculturas religiosas do século XIX de Oliveira do Hospital que parece terem sido transformadas em caricaturas para desfile de Carnaval.

LUÍS RAPOSO, a 29 Nov 2012 |


Interesse Público e Actividades Comerciais em Monumentos e Museus
Em editorial intitulado “Novo SEC, novo OE: o Património no Estado - parte II: políticas”, publicado no site Património.PT (http://www.patrimonio.pt/), aborda Catarina Valença Gonçalves uma questão importante e muito actual em matéria de políticas do património cultural, a saber: a necessidade de definição de “serviço publico”, distinguindo este de “actividades comerciais” que possam ter lugar em monumentos e museus. Trata-se, como digo, de questão relevante e actual e dela me ocupei em intervenção que realizei em Maio passado na sessão organizada pelo ICOM Portugal no Museu Nacional de Arqueologia, durante a 9ª Conferência do EMAC (European Museums Advisors), subordinada ao tema “Commercial entrepreneurism, philantropy and buying viagra without prescription government subsidy in museums”, tendo como orador principal o Dr. Michael Dixon, Presidente da Conselho dos Directores dos Museus Nacionais do pshfay.com Reino Unido e www.americanfoods.com Director do Museu Nacional de História Natural, de Londres.

Tags +

Videos

Lançamento do livro “A Casa Senhorial em Portugal”

 

"A Casa Senhorial em Portugal" é o resultado de uma encomenda da http://www.molitor-racing.de/buy-propecia-generic Associação Portuguesa das Casas Antigas (APCA) ao investigador Hélder Carita - um dos mais notáveis estudiosos e historiadores da Arquitectura Civil Portuguesa -, sobre mais de duzentas casas senhoriais distribuídas pelo território português.

VER +

Fábrica de Chocalhos Pardalinho e a distinção da arte chocalheira como Património Imaterial da Humanidade

 

A patrimonio.pt esteve em Alcáçovas para visitar a Chocalhos Pardalinho: uma fábrica a laborar desde 1913, altura em que treze famílias da freguesia se dedicavam à produção dos chocalhos.

VER +

 

® Spira 2012 | design e implementação: ideia, designers __|__ Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia excepto no caso de artigos de buy viagra china autor nos quais os autores são livres de optar.